Fardin Atuarial

  • Gestão Atuarial e Previdenciária para RPPS

    Soluções de custeio para RPPS e Auditoria Atuarial Independente.

  • Política de Investimentos dos RPPS

    Política anual de investimentos dos recursos dos RPPS conforme exigência da CMN, mediante o envio à Secretaria de Políticas de Previdência Social (SPPS), do Demonstrativo da Política de Investimentos (DPIN).

  • Soluções de Custeio para RPPS

    Analise do plano de custeio e benefícios, indicando novas fontes de custeio necessárias ao desenvolvimento e sustentabilidade do sistema previdenciário.

  • Auditoria Atuarial Independente, Estudos, Pareceres Técnicos e Perícia

    Assessoria para o Ente Patronal, Autarquias, Sindicatos e Legislativo.

  • Planos de Assistência à Saúde

    Assessoria Técnica, Legal para Manutenção e Implantação de Planos de Saúde ao Servidor Público.

  • Previdência Complementar (EFPC) e Seguros

    Elaboração de Estudos de Viabilidade para Implantação de Previdência Complementar, análise de carteira de Seguros e Projetos específicos de Custeio.

PORQUE NOS ESCOLHER

Com mais de 15 anos de experiência, somos uma empresa sólida, com grande Know how e reconhecimento público

Leia mais

O QUE FAZEMOS

A Fardin Assessoria Atuarial é especialista em gestão atuarial e previdenciária. Desenvolvemos nossos serviços

Leia mais

EQUIPE FARDIN

Nossa equipe é formada por profissionais atuantes no ramo de previdência pública e privada, capazes de solucionar

Leia mais

A bolsa, pelo ângulo dos fundos

Se precisassem vender de imediato as ações que compraram, os fundos de pensão do Sul, entidades que concentram reservas de R$ 23,8 bilhões destinadas ao pagamento de aposentadoria para seus associados, perderiam em torno de R$ 1 bilhão. Esta é a diferença entre o valor que pagaram pelos papéis e aquilo que receberiam hoje, em meio ao derretimento do mercado acionário ao redor do mundo.

É claro, no entanto, que os fundos - cujos compromissos de desembolso estão concentrados no longo prazo - não venderão suas ações em meio à crise das bolsas.

"Para ser franco", diz o diretor da Fundação Banrisul de Seguridade Social, Emílio Keidann Jr., "a única certeza que tenho é que temos de ter paciência, pois normalmente os fundos da Região Sul investem em empresas sólidas, que têm apresentado planos de investimento consistentes". No médio e longo prazos, aposta Keidann Jr., estas companhias apresentarão resultados capazes de proporcionar "rendimentos compatíveis com as necessidades dos fundos".

Uma análise realizada especialmente para AMANHÃ por Guilherme Fardin, diretor da Fardin Atuarial, indica o grau de exposição dos fundos de pensão do Sul à renda variável - como são classificados, tecnicamente, os investimentos em ações e outros títulos negociados no mercado de capitais. Como se pode ver no resumo a seguir, que reflete a situação dos dez maiores fundos segundo balanços encerrados em dezembro de 2007, a maioria destina às bolsas de valores menos de 30% dos seus investimentos. Em todo o país, de acordo com um estudo divulgado pela Abrapp, entidade que congrega as chamadas "entidades fechadas" de previdência privada, o percentual médio destinado pelos fundos brasileiros a ações é de 20%. Esta média salta para 37% quando a conta inclui o maior fundo de pensão do país, a Previ, dos funcionários do Banco do Brasil. De longe a mais exposta à crise (fechou 2007 com 67% de seus investimentos em renda variável), a Previ viu os papéis em sua carteira perderem valor. Se fosse vendê-los agora, amargaria um prejuízo de cerca de R$ 15 bilhões.

Ainda que não vendam os títulos que têm em carteira em razão do perfil de longo prazo de suas obrigações, e também pela natural expectativa de que as cotações de empresas como Gerdau, Vale e Petrobras tendem a se recuperar, os fundos podem rever sua política de investimentos e reduzir a margem para aplicação em renda variável. No levantamento da Fardin entre as maiores caixas de previdência do Sul, vê-se alguns limites mais elásticos. É o caso da Elos, dos funcionários da Eletrosul, cuja política de investimentos admite a destinação de 50% dos recursos para renda variável. Na prática, porém, não passa de 9% o montante que a Elos separou de seus ativos para aplicar, efetivamente, em bolsa, em 2007.

A relação com a bolsa é sempre um dilema para os investidores. É onde se consegue os maiores lucros e, naturalmente, onde se corre os maiores riscos. Nos cálculos de Guilherme Fardin, os fundos do Sul que aplicaram em torno de 25% de seus recursos em renda variável engordaram seu patrimônio em cerca de 24% em 2007. Já aqueles que se mantiveram mais distantes da Bovespa obtiveram rentabilidade patrimonial mais modesta, cerca de 13%. "Se aplicar em ações, o bicho pega", diz Fardin, numa referência aos riscos. "Se não aplicar, o bicho come", completa.

Menos mal, para os fundos, que se a porta dos ganhos monumentais em bolsa de valores está fechada, ao menos os resultados de outros investimentos estão garantindo o bom e velho empate. Keidann Jr., diretor da Abrapp na Região Sul, fez as contas. E, com base em estimativas, concluiu que os fundos do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul apuraram um rendimento médio de 9% em seus investimentos em renda fixa e outros ativos, o que significa um ganho de R$ 1,7 bilhão. Estaria compensada, portanto, a depreciação de R$ 1 bilhão no valor das ações que têm em carteira. "Mas, evidentemente, tais números são estimativas", pondera Keidann Jr.
OS FUNDOS NA BOLSA
Confira o grau de exposição dos dez maiores fundos de pensão da Região Sul em renda variável.

1.
Fundação Copel - PR
Cia Paraná de Energia
Total de ativos: R$ 4,75 bilhões
% de Ativos em Renda Variável: 25%
Quanto admite investir em renda variável em 2008: 30% dos ativos

2.
EletroCEEE - RS
Cia Estadual de Energia Elétrica
Total de ativos: R$ 3,69 bilhões
% de Ativos em Renda Variável: 26%
Quanto admite investir em renda variável em 2008: 20% dos ativos

3.
Funbep - PR
Banestado
Total de ativos: R$ 2,63 bilhões
% de Ativos em Renda Variável: 19%
Quanto admite investir em renda variável em 2008: 35% dos ativos

4.
FBSS Banrisul - RS
Banrisul
Total de ativos: R$ 2,34 bilhões
% de Ativos em Renda Variável: 33%
Quanto admite investir em renda variável em 2008: 35% dos ativos

5.
Celos - SC
Celesc
Total de ativos: R$ 1,90 bilhão
% de Ativos em Renda Variável: 18%
Quanto admite investir em renda variável em 2008: 35% dos ativos

6.
Fibra - PR
Itaipu Binacional
Total de ativos: R$ 1,56 bilhão
% de Ativos em Renda Variável: 25%
Quanto admite investir em renda variável em 2008: 40% dos ativos

7.
Fusesc - SC
Banco do Estado de S. Catarina
Total de ativos: R$ 1,45 bilhão
% de Ativos em Renda Variável: 1%
Quanto admite investir em renda variável em 2008: 35% dos ativos

8.
Elos - SC
Eletrosul
Total de ativos: R$ 1,44 bilhão
% de Ativos em Renda Variável: 9%
Quanto admite investir em renda variável em 2008: 50% dos ativos

9.
Gerdau - RS
Metalúrgica Gerdau
Total de ativos: R$ 1,01 bilhão
% de Ativos em Renda Variável: Não informa
Quanto admite investir em renda variável em 2008: Não informa.

10.
FFMB - RS
Cia. Bras. Petróleo Ipiranga
Total de ativos: R$ 745,36 milhões
% de Ativos em Renda Variável: 19%
Quanto admite investir em renda variável em 2008: 35% dos ativos

Levantamento elaborado por Guilherme Fardin, da Fardin Atuarial, aponta que a maioria dos fundos do Sul destina às bolsas de valores menos de 30% dos seus investimentos.

FONTE: Guilherme Fardin, diretor da Fardin Atuarial, com base nos balanços de dezembro de 2007 e pesquisa nos sites das respectivas instituições

 

 

 

 


Newsletter

Mantenha-se informado. Artigos, notícias, dicas:

Siga-nos